METODOLOGIA, DIMENSÕES E INSTRUMENTOS A SEREM UTILIZADOS DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO.

O processo autoavaliação Institucional proposto pela FARES desde o ano de 2015 configura-se como uma totalidade que se desdobra num conjunto de ações que se integram e devem ser percorridas. O trabalho da CPA-FARES 2015 se organiza em três grandes eixos, assim estruturados:

(1) Acompanhamento e análise das dimensões institucionais: o objetivo desse trabalho é identificar o perfil da IES e o significado de sua atuação, por meio de suas atividades, cursos, programas, projetos e setores;

(2) Institucionalização de práticas avaliativas: adoção de uma dinâmica avaliativa com investimentos mais estáveis e duradouros, em contraposição a ações avaliativas pontuais de vocação não estruturante, sendo que as ações são definidas pela relevância, interesse e demanda da IES. O encaminhamento do trabalho exige a organicidade da avaliação no cotidiano da FARES que inclui, entre outros aspectos, sua integração na agenda institucional como parte da dinâmica cotidiana; decisões partilhadas; participação de diferentes agentes e instâncias; apoio operacional e especialmente tecnológico para agilização de coleta e análise de dados; definição clara de responsabilidades dos agentes envolvidos; elaboração de manuais técnicos, protocolos, instrumentos de orientação que deem suporte à implementação das atividades avaliativas; agilização da retroinformação instrumentando processos decisórios delimitados;

(3) Gestão de resultados para tomada de decisão: a gestão da informação avaliativa para tomada de decisões implica a organização dos resultados obtidos com a realização do Eixo 1, ou seja, acompanhamento e a análise das dimensões institucionais, tendo como referência o PDI e o Projeto Pedagógico Institucional (PPI) da FARES, para subsidiar processos de tomada de decisões.

O instrumento e os procedimentos definidos para o desenvolvimento das atividades avaliativas foram propostos considerando a necessidade de diferentes planejamentos para ações distintas:

i. A construção do instrumento descrita desde a elaboração inicial do instrumento, passando pela pré-testagem até a finalização da versão final;

ii. O trabalho de campo descrito com as atividades previstas para antes, durante e depois da aplicação do instrumento e

iii. Proposta da construção de uma ferramenta tecnológica para agilização dos resultados.

Durante o ano letivo, são aplicados os seguintes instrumentos de avaliação:

- Avaliação do curso, IES e coordenação por discentes;

- Avaliação do curso, IES e coordenação por docentes;

- Avaliação da IES e coordenação por funcionários técnico-administrativos;

- Avaliação do curso e IES e coordenação por coordenadores;

- Avaliação do curso, IES e coordenação por alunos da pós-graduação;

- Avaliação do docente por discentes;

- Perfil dos Ingressantes;

- Perfil dos Egressos.